segunda-feira, 5 de novembro de 2007

DO EXERCÍCIO DA PALAVRA

"Ai, palavras; ai, palavras,
que estranha potência a vossa!"
( Cecília Meireles - "Romance das palavras aéreas" )
*************

Ultimamente tenho refletido sobre a PALAVRA : seu poder de revelar, suas armadilhas, o cuidado que ela requer em seu uso, sua função de ponte, embora , tantas vezes nos sirvamos dela, erroneamente , para criar argumentos falsos, deturpar sentidos e produzir descaminhos...
A palavra é uma força que, quando emitida, tem trajetória certa. Saber usá-la é um exercício; requer prudência e sabedoria.
Li, há um tempo atrás, uma crônica de LYA LUFT sobre esse tema. Impressionaram-me algumas situações de vida captadas por ela com tanta precisão!
Partilho com você, fragmentos dessa página, intitulada "Senhores da Palavra", esperando que lhe sejam úteis como o foram para mim.
**************
"Palavras podem impressinonar mais que fatos.
Descobri isso quando as pessoas discutiam lançando palavras como dardos sobre a mesa na sala de jantar. Nessa época meus olhos mal alcançavam o tampo da mesa, e o mundo dos adultos me parecia fascinante.O meu era demais limitado por horários ( por que criança tinha de dormir cedo?), regras tediosas (por que não correr descalça na chuva, por que não botar os pés em cima do sofá, por quê, por quê...?), e a escola era um fardo: seria tão mais divertido ficar lendo debaixo das árvores no jardim de casa.
Mas, em compensação , na escola também se brincava com palavras: lá, como em casa, havia livros, e neles as palavras eram caramelos saborosos ou pedrinhas coloridas que a gente colecionava, olhava contra a luz, revirava no céu da boca...(...)
Depois houve um tempo ( hoje, não mais?) em que palavras eram cortadas por reticências na tela do cinema, enquanto sobre elas se representavam cenas que hoje são o pão nosso de qualquer criança com televisão em casa, mas então causavam constrangimento.
Palavras ofendem ou assustam mais do que a realidade (...) Palavras servem para mal-entendidos que magoam anos mais tarde, quando alguém nos cobra:
"Você aquela vez disse que eu..."
"De jeito nenhum, eu jamais imaginei, nem de longe, dizer uma coisa dessas..."
"Mas você disse..."
"Nunca! Eu tenho certeza absoluta!"
Mas não tinha havido testemunhas, e a memória é enganosa. Seja como for, a dor tinha marcado a fogo.
"Agora não quero falar nisso", dizemos. Mas a gente devia falar exatamente disso que nos assusta e nos afasta do outro. O silêncio quando devíamos falar, a palavra errada quando devíamos ter ficado quietos: instauram-se o drama da convivência e as dificuldades do amor.
Sou dos que optam pela palavra sempre que é possível. Olho no olho, às vezes mão na mão ou mão no ombro: vem cá, vamos conversar? Nem sempre é possível. Mas em geral é melhor do que o silêncio crispado e as palavras varridas embaixo do tapete.
Não falo do silêncio bom em que se compartilha ternura e entendimento . Falo do silêncio ressentido em que se acumula amargura e se distanciam como estranhos os que partilham da mesma sala, mesma cama, mesma vida. Em parte, porque nada foi dito quando tudo precisaria ser falado, até para que a gente pudesse se afastar com amizade e respeito quando ainda era tempo.
(...)
A palavra faz parte da nossa humana essência: com ela nos acercamos do outro, apaziguamos, ferimos e matamos. Com a palavra seduzimos o leitor num texto, numa palavra liqüidamos: negócios e amores. Uma palavra confere nome ao filho que nasce e ao navio que transportará vidas ou armas.
"Vá", "Venha", "Fique", "Eu vou", "Eu não sei", "Eu quero, mas não posso", "Eu não sou capaz", "Sim, eu mereço", são a marca das nossas escolhas, derrota diante do nosso medo ou vitória sobre nosso susto.
Viemos ao mundo para dar nomes às coisas, senhores delas ou enganados através delas quando mal usadas, servos de quem as manipula contra nós."

10 comentários:

Irmão Sol, Irmã Lua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hay disse...

Rose,
Um post de muito bom gosto, um belo exercício.
Ao longo do tempo, quase todos os poetas e escritores um dia se deparam com essa coisa chamada: Palavra.
Deixo com você um trecho da Lique(Alice) de Portugal:
“Falámos de palavras. Falamos com palavras. E sentimos a força das palavras. Palavras, leva-as o vento, diz o povo. Será? Pensemos um pouco nas palavras que lemos ou nos disseram e nunca esquecemos. Aquelas que nos atravessam a mente de quando em quando, provocando uma crispação de dor ou um sorriso.
...
Tantas palavras que a nossa mente retém e que voltam à memória sem sabermos porquê! Será que o vento as levou? Não. Ficaram connosco, indelevelmente marcadas em nós. E provocam emoções diversas. Essa é a força das palavras. De uma forma ou de outra, estimular o nosso pensamento, os nossos sentimentos. E provocar uma qualquer reacção.
E, porque hoje me deu para escrever novamente sobre as palavras, talvez seja altura de deixar falar o silêncio e pensar um pouco em tudo isto que escrevi ao correr dos dedos no teclado e que, afinal, não é mais que um amontoado de palavras. Com ou sem sentido, isso dirá quem ler.”
Bjs
Hay

Irmão Sol, Irmã Lua disse...

"A palavra que reténs,
É tua serva querida,
Mas aquela que te foge,
É dona da tua vida."
Casimiro Cunha

Importante texto para se refletir. Adorei e entendo que devemos buscar agir assim. Pena que nem sempre é possível, porque o outro, por vezes, não permite.
Carinho sempre e boa semana também.

[a moça do sonho] disse...

Rose
Obrigada pelo texto-presente! Copiei e guardei com muito carinho!

Ultimamente tenho pensado muito na força da palavra e também no poder do silêncio... [Papai gostava de lembrar da frase "benditos silêncios meus", da mensagem de Carlinhos, lembra?]

Bem, quanto às mudanças no blog, que bom que agora você pode comentar. Não sei o que aconteceu, não entendo muito aquele Wordpress...

Quando venho aqui comentar no seu, só posso comentar com minha conta Google - a moça do sonho.

Ai ai...

Rose, obrigada de novo.

Beijo e carinho,
Margarida

Ela disse...

A grande magia da comunicação consiste em que a palavra proferida , seja realmente entendida.
O que s e diz... e o que se queria dizer...

Amei as notíicas que você trouxe para mim... todas !!!!

Vieira Calado disse...

É pela palavra e todas as nuances da palavra que somos seres humanos.

Irmão Sol, Irmã Lua disse...

Sabe, estou seguindo o exemplo de alguém especial...
Colocando pra fora um pouco, ao menos, pensamentos, sentimentos e criatividade.
Espero que o querido Santo esteja realmente um pouquinho feliz.
Beijo!!!

anie_t disse...

estava dando uma olhada nos comentarios anteriores ao meu, e resolvi não comentar nd sobre o post...tantas citaçoes inteligentes!! me sinto até meio sem graça...mas eu adorei!!
foi ver aline e eu na peça??
beijos XD

Marilac disse...

Rose,

Maravilhoso post!
Obrigada por nos proporcionar essa
leitura tão necessária.

Eu também tenho refletido muito ultimamente sobre as palavras e saber usá-la realmente requer prudência e sabedoria...

Como disse Victor Hugo:
As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade.

Beijos
com cariho,
Marilac

Marilac disse...

Rose,
Hoje postei sobre a força das palavras e me inspirei neste seu lindo post.Citei vc e linkei esse post, pois é sempre um aprendizado necessário esse do bom uso das palavras

bjs
Marilac

Poderá também gostar de :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...