terça-feira, 29 de abril de 2008

TRADUZINDO...

( Imagem de autor desconhecido )

segunda-feira, 28 de abril de 2008

SILÊNCIO

Para caminhar
sobre a delicada ponte
que leva aos olhos do outro,
todo silêncio é pouco.
Para ouvir a música
que se desprende
de todas as coisas belas,
todo silêncio é pouco.
Para sentir na pele
o veludo de um jardim,
quando a noite envolve o mundo
em sua rede de estrelas,
todo silêncio é ouro...
Para entender,
palavra por palavra,
a voz que vem do coração,
todo o silêncio.
( ROSEANA MURRAY )

( Imagem de autoria desconhecida )


domingo, 27 de abril de 2008

DE PARAR O TRÂNSITO!

[ Uma travessia emocionante!...]
( Imagem de autor desconhecido )

sábado, 26 de abril de 2008

DO DIÁLOGO COMO CAMINHO DE PAZ

" Dialogar é descobrir.
Quanto mais avançamos na descoberta dos outros,
tanto mais substituiremos as tensões por laços de paz.
Pelo diálogo, aprenderemos a: respeitar a pessoa humana, seus valores, sua cultura, sua autonomia legítima, sua auto-determinação; olhar para além de nós mesmos, a fim de compreender e apoiar o que há de bom nos outros; contribuir para um desenvolvimento e crescimento justos; transformar a solidariedade e o diálogo em características permanentes do mundo em que vivemos. A paz é um valor sem fronteiras."

( João Paulo II )
( Imagem de autor desconhecido )

POEMA DE UM PAI

Não é a tua mão
filha
que eu levo
na minha mão
é uma raiz
que eu planto em mim mesmo.
ANTÔNIO REIS,
poeta português
( Fotografia de autor desconhecido )

sexta-feira, 25 de abril de 2008

DE SUBIDAS E DESCIDAS...


[ Cada fase do caminho traz a sua lição.
O que importa é aprendê-la e seguir adiante...
E isso fica bem mais fácil quando temos amigos!... ]

quinta-feira, 24 de abril de 2008

MARCAS


[ É como o "mestre" Gonzaguinha nos diz:

"Toda pessoa sempre é as marcas

das lições diárias de outras tantas pessoas." ]


UM OLHAR POÉTICO SOBRE A VIDA

A VIDA VERDADEIRA
Pois aqui está a minha vida.
Pronta para ser usada.
Vida que não se guarda
nem se esquiva, assustada.
Vida sempre a serviço da vida.
Para servir ao que vale
a pena e o preço do amor.
Ainda que o gesto me doa,
não encolho a mão: avanço
levando um ramo de sol.
Vida , toalha limpa,
vida posta na mesa,
vida brasa vigilante,
vida pedra e espuma,
alçapão de amapolas,
o sol dentro do mar,
estrume e rosa do amor:
a vida.
Há que merecê-la.
Thiago de Mello
em "Faz escuro mas eu canto"
( Fotografia de autor desconhecido )

quarta-feira, 23 de abril de 2008

ESSENCIAL É...

SENTIR A LEVEZA DA VIDA!...


terça-feira, 22 de abril de 2008

"CLICK"!

PONTE DE AMARANTE


Artur Costa Marques

FALAR E ESCUTAR


"No silêncio das crianças, há um programa de vida: sonhos. É dos sonhos que nasce a inteligência.
A inteligência é a ferramenta que o corpo usa para transformar os seus sonhos em realidade.
É preciso escutar as crianças para que a sua inteligência desabroche.
Sugiro então aos professores que, ao lado da sua justa preocupação com o falar claro, tenham também uma justa preocupação com o escutar claro. Amamos não a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A escuta bonita é um bom colo para uma criança se assentar..."
RUBEM ALVES -"Educação dos Sentidos"
( Fotomontagem de Heder Torres )

segunda-feira, 21 de abril de 2008

O MENINO

"Há um menino, há um moleque,
morando sempre no meu coração,
toda vez que o adulto balança,
ele vem pra me dar a mão.
Há um passado no meu presente,
um Sol bem quente lá no meu quintal,
toda vez que a bruxa me assusta,
o menino me dá a mão.
Ele fala de coisas bonitas
que eu acredito
que não deixarão de existir:
amizade, palavra, respeito,
caráter, bondade, alegria e amor..."!

MILTON NASCIMENTO

SOBRE O PERDÃO

"...o PERDÃO é tanto um sinal de cura quanto a chave para ela. Todo o entendimento do mundo vale muito pouco se nos ressentimos cada vez que um ato de um estranho nos recorda nossas relações mal resolvidas. De que adianta o autoconhecimento, se nós o usamos para alimentar o nosso ódio a nós mesmos e a culpa que nos diz que, apesar dos nossos esforços, nunca seremos o bastante, nunca faremos o bastante, nem nos importaremos o bastante ou nos ajudaremos o bastante para sermos dignos do nosso próprio amor?
O PERDÃO acarreta a autêntica aceitação do nosso valor como seres humanos, a compreensão de que erros são oportunidades para o crescimento, para a consciência e para o cultivo da compaixão, e a percepção de que a extensão do amor para nós mesmos e para os outros é o cimento que mantém o universo coeso.
O PERDÃO não é uma série de comportamentos, mas uma atitude. Quando as nossas escolhas são informadas pelo nosso sentido central de EU, ao invés das muitas vozes do medo e da dúvida que aprendemos no caminho, podemos confiar em nós mesmos para agir de uma maneira que afirme e estimule a luz dentro de todos nós."
JOAN BORYSENKO no prefácio de "O Livro do Perdão
- o caminho para o coração tranqüilo"
( Imagem de autor desconhecido )

Now Hear Connie Talbot singing Over The Rainbow!!!

Que a voz cristalina de Connie alimente nossas esperanças e a certeza de que além do arco-íris há lugares de serenidade e luz, há amores que velam por nós...

domingo, 20 de abril de 2008

MAR SONORO

"Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós.
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só pra mim."
Sophia de Mello Breyner

sábado, 19 de abril de 2008

HOMENAGEM SIMPLES


( MONTEIRO LOBATO -1882-1948 )



Ontem -18 de abril - foi dia de recordarmos MONTEIRO LOBATO, um dos grandes incentivadores da cultura nacional. Esta data de aniversário do escritor também foi escolhida para se destacar a importância do livro na formação de todo cidadão.

Quem nunca ouviu falar da Dona Benta , dos seus netos , da turma do Sítio do Picapau Amarelo e do famoso caipira chamado Jeca Tatu? Todos esses personagens povoaram a minha infância e alimentaram o meu imaginário! Quando menina, li sua obra dedicada às crianças e, hoje, como professora de Literatura, tenho a alegria de trabalhar com seus textos direcionados aos adultos.

Mente crítica e obstinada a promover o crescimento do país, Lobato foi um dos grandes nomes do Pré-Modernismo; sua ação, além do círculo literário, se estendeu ao plano da luta política e social. Seu ideal era um Brasil moderno, estimulado pela ciência e pelo progresso. Foi , antes de tudo, um extraordinário contador de histórias, de casos interessantes, sem perder a oportunidade de, num estilo cuidadoso, criticar certos hábitos brasileiros, como a cópia de modelos estrangeiros, nossa subserviência ao capitalismo internacional, a submissão das massas eleitorais, dentre outros. Destacou-se também como um dos primeiros autores de literatura infantil em nosso país e em toda a América Latina.




PALAVRAS SOBRE ELE:


"Lobato nunca fez literatura por literatura.
Poucos escritores
botaram tanta intenção, tanto sofrimento,
tanta preocupação, tão sério amor nos seus livros e nos seus artigos como o fez ele em sua literatura combativa e tantas vezes combatida."


ORÍGENES LESSA



"A Lobato deve muito o Brasil. Em primeiro lugar, o exemplo magnífico e raro do intelectual que não se vende e não se aluga, não se coloca a serviço dos poderosos ou dos sabidos. Depois, foi ele um homem de ação e um descobridor. Devem-se a ele a campanha do livro e a campanha do petróleo.
Foi o criador da nossa literatura infantil."

OSWALD DE ANDRADE



PALAVRAS DELE:


"Um país se faz com homens e com livros."


"Assim como é de cedo que se torce o pepino,
também é trabalhando a criança
que se consegue uma boa safra de adultos."



"A coisa que menos me mete medo é o futuro."


"Estou condenado a ser o Andersen desta terra -
talvez da América Latina."




"Ainda acabo fazendo livros
onde as nossas crianças possam morar."
********




APRENDIZAGEM DO NOVO

"A cada manhã,
eu quero renascer,
eu quero refazer tudo, desaprender tudo,
recomeçar a aprender tudo de novo.
Eu queria olhar o mundo
com os olhos lavados de pureza e de inocência
como um menino."
( FERNANDO SABINO )
( Imagem de autor desconhecido )

quinta-feira, 17 de abril de 2008

AS PALAVRAS

São como um cristal
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.
Secretas vêm , cheias de memória.
Inseguras navegam;
barcos ou beijos,
as águas estremecem.
Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas,
verdes paraísos lembram ainda.
Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?
EUGÊNIO DE ANDRADE
in "Coração do dia"

( Fotografia de autor desconhecido )

CANTO BOM!...

"Um cantinho, um violão,
esse amor, uma canção,
pra fazer feliz a quem se ama"...

"Corcovado"
TOM JOBIM
(Imagem de autoria desconhecida)

terça-feira, 15 de abril de 2008

IMERSÃO EM LETRAS

[ Neste feriado, eu vou mergulhar!... ]

( Imagem de autoria desconhecida )


segunda-feira, 14 de abril de 2008

SUGESTÃO DO DIA

Um prato de mar
com suaves vagas frescas
para esverdear a alma...

( Imagem de autoria desconhecida )


CÃO RADICAL

[ Com uma pose desta e todo este aparato,
quem duvida de que ele voa? ]

domingo, 13 de abril de 2008

UM DIA...

"Há muito tempo que viaja o meu paizinho querido!
..........................................................................................
Um dia, eu tomarei um navio bem grande, um navio muito bonito,
cheio de mastros e bandeiras, e irei procurar meu paizinho.
E hei de encontrá-lo, e abraçá-lo, abraçá-lo muito..."
(CECÍLIA MEIRELES in "Criança, meu amor" )
(Imagem de autor desconhecido)

EM RITMO DE SAUDADE...

[ Para uma alma querida, neste dia de lembranças especiais... ]

sábado, 12 de abril de 2008

quinta-feira, 10 de abril de 2008

"TEMPUS FUGIT"

"Mas o relógio não desiste.
Continuará a nos chamar à sabedoria: "tempus fugit"...
Quem sabe que o tempo está fugindo descobre, subitamente, a beleza única do momento que nunca mais será..."
RUBEM ALVES
Fonte da imagem: www.artenafoto.hpg.com.br

AMOR E PERDÃO

( Fotomontagem de autoria desconhecida )

terça-feira, 8 de abril de 2008

UMA IMAGEM SURREAL

Vestir-se de borboletas...
Desfazer-se em asas
na direção do Céu.
Ser um destino
em liberdade...

( Imagem de autoria desconhecida- infelizmente! )

CANÇÕES E FLORES

( Desconheço a autoria da fotomontagem )




domingo, 6 de abril de 2008

QUARTO DE CRIANÇA


"Brinca enquanto souberes!
...............................................
Brinca no mundo da imaginação,
Que nenhum outro mundo contradiz!"
MIGUEL TORGA

"CLICK!"

OUTONO

ANDRÉ BOTO

sábado, 5 de abril de 2008

PARA A GENTE SE DESACOSTUMAR...

Os tempos atuais me têm colocado a pensar...
Tantas mudanças, descobertas científicas, tanto progresso tecnológico ladeados pela indiferença, pelo desamor e por desequilíbrios psicológicos de toda sorte!... Parece-me que quanto mais sabemos sobre tudo, mais desconhecemos os valores essenciais da vida!...
A última semana foi de perplexidade para tantos quantos assistiram aos noticiários da TV. A morte inexplicável de uma criança nos desalojou de nossas vidas costumeiras, afetou o nosso ânimo, colocou-nos, face a face, com uma dura realidade, para qual não encontramos justificativas. A dor foi capaz de - ainda que por instantes - nos propor uma pausa para a ressignificação do humano: o que somos, afinal, nessa engrenagem que se chama existência? Nela, que papel nos cabe? Quais princípios nos têm servido de norte neste percurso? Como me relaciono com o outro que segue ao meu lado? Que grau de importância ele tem para mim?
Questionamentos também que me faço sob o impacto dessa triste ocorrência...
Lamentavelmente, no entanto, é muito provável que, passados alguns dias sobre esse fato, voltemos à nossa rotina, falsamente consolados de que "felizmente" não foi conosco!..

*********
Como complemento a esta reflexão, transcrevo-lhes este seríssimo texto de MARINA COLASSANTI - porque de tanto nos acomodarmos, perceberemos, um dia, que desperdiçamos oportunidades valiosas ...

**********




EU SEI, MAS NÃO DEVIA



Eu sei que a gente se acostuma.
Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E porque à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.
A gente se acostuma a acordar de manhã, sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíches porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia. A gente se acostuma a abrir a janela e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz.(...) A gente se acostuma esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto. A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que paga. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com o que pagar nas filas em que se cobra.
A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes, a abrir revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema, a engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata de produtos.
A gente se acostuma à poluição. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às besteiras das músicas, às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À luta. À lenta morte dos rios. E se acostuma a não ouvir os passarinhos, a não colher frutas do pé, a não ter sequer uma planta.
A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda satisfeito porque tem sono atrasado.
A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida, que aos poucos se gasta e, que, de tanto acostumar, se perde de si mesma.


( Fotografia de autoria desconhecida )





A MINHA PÁTRIA,O CHÃO

[ Este belo poema é de VIEIRA CALADO,
meu amigo poeta do ALGARVE - PORTUGAL.
Se quiser conhecer outros, acesse:

CLARICE LISPECTOR - FRAGMENTOS

"Mas há a vida
que é para ser
intensamente vivida,
há o amor.
Que tem que ser vivido
até a última gota.
Sem nenhum medo.
Não mata."
*******

"Já que se há de escrever,
que pelo menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas."
******
"Não se pode dar uma prova de existência
do que é mais verdadeiro, o jeito é acreditar."
***********
"Amar os outros é a única salvação individual que conheço:
ninguém estará perdido se der amor e, às vezes, receber amor em troca."
************
"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca."
**********
( Fotografia de autor desconhecido )

ADVERTÊNCIA


( Fotomontagem de autor desconhecido )

sexta-feira, 4 de abril de 2008

SOBRE A RESILIÊNCIA



"A resiliência é caracterizada por um conjunto de atitudes adotadas pelo ser humano para resistir aos embates da vida. O termo vem de uma propriedade da Física sobre a capacidade que os corpos têm de voltar à sua forma original, depois de submetidos a um esforço intenso. Fazer a transposição da Física para a Psicologia não é possível porque aplicado aos seres humanos, o conceito se destaca exatamente pela capacidade do indivíduo dar a volta por cima das situações de risco e voltar TRANSFORMADO, crescendo com a experiência.
A análise dos comportamentos leva à idéia de que todo ser humano traz dentro de si essa capacidade inata. Alguns a estimulam por si mesmos, sobrepujando guerras, maus tratos, conflitos diversos. Outros precisam de ajuda externa, seja de comunidades religiosas ou não, da família ou de terapeutas para ajudá-los a criar os fatores de proteção que suavizam os fatores de risco. Ou seja, são forças internas e externas que contribuem para minorar esses fatores de risco. E a essa força chama-se RESILIÊNCIA. Assim diz-se que um indivíduo é resiliente quando consegue superar ( e não necessariamente eliminar) as adversidades, encontrando forças para aprender com elas.
A forma como lidamos com os agentes estressores é que determinaria o grau de resiliência alcançado. O ser resiliente não foge das opressões e consegue neutralizar seus efeitos sem que necessariamente as mesmas sejam afastadas ou diminuídas.
Como exemplo, citamos os sobreviventes dos campos de concentração que, apesar de todas as adversidades, ainda encontraram dentro de si mesmos força para resistir, sem que tenha havido redução da exposição ao risco."
FÁTIMA ARAÚJO DE CARVALHO -
Mestre em Psicologia da Educação - PUCSP








quinta-feira, 3 de abril de 2008

ROGATIVA EM ABRIL

Quero uma prece
para tempero da alma;
um dom supremo
de asserenar os sonhos
ou aflição.

Uma prece concebida
com tônus de fé dilatada
e forma da Estrela de Davi.

Sincera -
como o pai que este mês me levou...
Profunda -
feito tecido do tempo...

Uma prece apenas,
para recompor
as fibras da vida
que anda distraída
de caminho e imaginação -

porque ABRIL
é um aceno na secura dissonante...
me tira o ar de recolhimento
e abre janelas na paisagem...
( Fotografia de autor desconhecido)

PERSEVERANÇA

( Desconheço autoria da fotomontagem )

quarta-feira, 2 de abril de 2008

TUA MENTE

Entre os cuidados devidos ao corpo e à alma, recordemos o problema da habitação.
Quanto mais instruída a pessoa, mais asseio na moradia.
Nem sempre a residência é rica do ponto de vista material. Vê-se, aí, contudo, limpeza e ordem, segurança e bom gosto.
É imperioso, porém, que o senso de higiene e harmonia não se fixe, unicamente, no domicílio externo. Necessário que semelhante preocupação nos alcance o pouso íntimo.
A mente é a casa do espírito.
Como acontece a qualquer vivenda, ela possui muitos compartimentos com serventia para atividades diversas. E, às vezes, sobrecarregamos as dependências de nosso lar interior com idéias positivamente inadequadas às nossas necessidades reais.
Quando preconceitos enquistados, teorias inúteis, inquietações e tensões, queixas e mágoas se nos instalam por dentro, dilapidamos os tesouros do tempo e as oportunidades de progresso, de vez que impedimos a passagem da corrente transformadora da vida, através de nossas próprias forças.
Sabemos que uma casa, por mais simples, deve ser arejada e batida de sol para garantir a saúde.
Ninguém conserva lixo, de propósito, no ambiente familiar.
Qualquer perturbação no sistema de esgoto ou na circulação da energia elétrica representa motivos para assistência imediata.
Desde épocas remotas, combatemos a escuridão. Da tocha à candeia e da candeia à lâmpada moderna, esmera-se o homem na criação de recursos com que se defender contra o predomínio das trevas.
Pondera quanto a isso e não guardes ressentimentos e nem cultives discórdias no campo da própria alma.
Trabalha, estuda, faze o bem e esquece o mal, a fim de que te arregimentes contra o nevoeiro da ignorância.
Tua mente - tua casa intransferível. Nela te nascem os sonhos e aspirações, emoções e idéias, planos e realizações. Dela partem as tuas manifestações nos caminhos da vida, e de nossas manifestações nos caminhos da vida dependem o nosso cativeiro ou a nossa libertação para a luz.
EMMANUEL

terça-feira, 1 de abril de 2008

DESCOBERTA


"Mais belos que os descobrimentos de origens
são os descobrimentos de destinos.
Os descobrimentos de origens olham para o passado.
Os descobrimentos de destinos olham para o futuro."

RUBEM ALVES

PAUSA


"A meditação é uma aprendizagem do instante.
O espírito quase nunca está calmo, num estado que nos permita ver a realidade tal como é. Ele é movido por uma espécie de pressa, urgência, febre, desejo, sede, cobiça, irritação, que nos faz perder seu estado natural. Está sempre agitado por pensamentos. Quando estamos totalmente presentes, deixamos de querer buscar outro lugar e o espírito pára de se agitar.
A disciplina do instante é uma aprendizagem da paz.
A pressa é sinal de falta, de vício. Repousar no instante é o maior sinal de independência."
PIERRE LÉVY
em "O Fogo Liberador"
( Desconheço o autor da fotografia )

Poderá também gostar de :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...