sábado, 15 de outubro de 2011

CONTO PARA IMAGEM Nº12

Havia nela um desejo fundo: voar além do espaço e do tempo. Mas a liberdade- diziam-lhe- andava presa em potes escondidos.

De tanto procurar, um dia, encontrou a sua, sob forma de borboletas. Reconheceu-a. Tinha o azul do Céu e se debatia na transparência do recipiente pequeno que lhe tolhia as asas.

Com os sonhos aos pulos, ela envolveu a companheira alada em sua energia de luz e levou o pote, que a retinha, até o horizonte aberto... Ali, então, o que era antes frágil agigantou-se em beleza e profundidade: ambas sentiram juntas a alma dos ventos e ela se fez inteira para novas paisagens...


(Imagem de autor desconhecido)


Um comentário:

Elis disse...

Que maravilha! Como alguém que também procura a sua liberdade e que sorri ao ver uma borboleta dançando nos ventos, me identifiquei com este conto. Abraços!

Poderá também gostar de :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...